Honda Africa Twin oficializada e com novidades importantes para 2020

Publicado por Standocasião há 1 ano

A Honda Africa Twin está 'de cara lavada' para 2020, com a mota de aventura da Honda a receber atualizações significativas. Estas permitem reduzir o peso em 5kg, sendo que o motor tem maior cilindrada, potência e binário cumprindo as normas de emissões poluentes Euro 5.

Lançada originalmente há mais de três décadas, a atual geração Africa Twin – CRF1000L Africa Twin – chegou em 2016 e, em 2018, recebeu a sua última grande atualização. Agora, para 2020, chegará a nova CRF1100L Africa Twin, que apesar das muitas novidades mantêm os princípios do modelo.

Assim, independentemente de tudo, o foco da mota continua naturalmente a ser a capacidade fora de estrada. O quadro recebeu uma revisão total, tendo agora um sub-quadro em alumínio aparafusado. O braço oscilante em alumínio baseia-se no da CRF450R de motocross.

A Unidade de Medição de Inércia (IMU) de seis eixos assegura o controlo dos sete níveis do sistema de controlo de tração HSTC e uma das novidades para 2020: os três níveis da função anti-cavalinho, ABS em curva com configuração off-road, controlo de elevação da roda traseira e a deteção de curvas na versão com caixa DCT. Há um novo modo de condução, num total de quatro: o Off-Road junta-se aos Urban, Tour e Gravel..

Motor de maior cilindrada
Uma das grandes novidades da Honda Africa Twin de 2020 é o motor de dois cilindros, cuja cilindrada aumentou de 998 para 1.084 centímetros cúbicos. Assim, a potência também aumentou atingindo 75 kW (mais de 100cv) às 7.500 rotações por minuto, tal como o binário que passa a ser de 105Nm às 6.250 rotações por minuto.

O diâmetro dos cilindros mantém-se mas o curso é maior, com as suas camisas a serem agora de alumínio. O motor da versão de caixa manual é 2,5kg mais leve, sendo o da versão de caixa DCT 2,2kg mais leve face ao antecessor. A cabeça do motor foi completamente revista e a rampa de aceleração é maior.

A ECU recebeu uma nova programação, os injetores têm um ângulo modificado para que a pulverização para as câmaras de combustão seja mais direta e o conjunto de válvulas Unicam SOHC vem da CRF450R com especificação de competição de motocross. O comando de válvulas foi otimizado.

As novidades continuam com o silenciador de escape que passa a ter válvula de controlo variável do escape similar à da CBR1000RR Fireblade, o que favorece o rendimento, eficiência e sonoridade. A precisão dos carretos de equilibragem, tanto dianteiro como traseiro, foi melhorada para a nova versão.

Por forma a cumprir mais facilmente as normas de homologação em termos de emissões Euro 5, foi fulcral acrescentar um anel de impulsos à cambota. Também existiram alterações ao nível de sensores de escape, por forma a que a medição da relação ar/combustível da mistura seja mais precisa.

 

Transmissão
Uma das possibilidades em termos de transmissão reside numa de dupla embraiagem DCT, em que as mudanças são consistentes, contínuas e rápidas. Cada embraiagem tem controlo independente com o seu próprio circuito electro-hidráulico. Além da engrenagem de mudanças, a alta durabilidade é outro dos pontos fortes da caixa DCT.

Mas não se fica por aí: é impossível deixar o motor ir abaixo, o condutor esforça-se menos na condução urbana e, consequentemente, cansa-se menos. Há três modos de funcionamento: MT, com controlo manual total; D, vocacionado à condução em cidade e vias rápidas; e automático S.

Este último inclui três níveis de condução mais desportiva, sendo que a ECU permite o motor subir mais antes de engrenar a mudança seguinte. As reduções em desaceleração acontecem mais cedo para mais efeito de travão-motor. O DCT permite intervenção manual imediata quer no modo D, quer no modo S, se tal for necessário.

Um interruptor G no painel de instrumentos TFT possibilita melhorar a sensibilidade da tração e do controlo da moto, reduzindo a quantidade de deslizamento da embraiagem nas mudanças. O sistema DCT tem ainda funções de deteção de inclinação e a nova função de deteção de curva, através do qual ajusta o mapa.

Na embraiagem manual, o centro é em alumínio, sendo o diâmetro menor. Os carretos foram remodelados e estão fabricados num material mais forte. Como opção, o cliente pode acrescentar à Honda Africa Twin um sistema quickshifter de mudanças rápidas.