Eléctrico de luxo com até 770 km de autonomia: Mercedes EQS revelado

Publicado por Standocasião há 3 semanas

Eis o novo Mercedes EQS, a primeira berlina de luxo de propulsão exclusivamente eléctrica da marca da estrela, e também a primeira versão do género a integrar a família Classe S. Mas que este parentesco não induza em erro: o EQS recorre a uma plataforma modular específica, de seu nome EVA, com uma arquitectura especialmente pensada para este tipo de propulsão, que também irá servir a berlina de médio porte EQE, e as variantes SUV de ambos modelos (em 2025, a marca de Estugarda prevê lançar solução semelhantes para os seus segmentos compacto e médio).


Aliás, basta um primeiro e breve olhar para perceber que os princípios que nortearam a concepção do EQS são distintos dos adoptados pelo Classe S. Desde logo, a própria configuração da carroçaria é diferente, com formato ao estilo coupé, garantido pelo tejadilho arqueado, pela curta projecção dianteira, pelo habitáculo deslocado para a frente e pela secção traseira arredondada, com um carácter muito próprio, em que se destacam os novos farolins por LED de efeito tridimensional.


Já a secção dianteira desportiva, baixa e esguia combina-se numa unidade designada por Black Panel, composta pelos faróis por LED unidos por uma faixa de luz, e por um painel em preto, que surge no lugar normalmente ocupado pela grelha nos automóveis com motor térmico, com padrão em estrela (em opção, de efeito tridimensional, em combinação com as linhas de equipamento AMG Line Exterior ou Electric Art Exterior). Inequívoco é que o EQS possui uma personalidade estilística muito própria, patente, ainda, num Cx de somente 0,20 (que faz deste o automóvel de produção em série mais aerodinâmico do mundo – e também dos mais silenciosos); e que esta configuração lhe permite oferecer uma habitabilidade ainda mais generosa do que a do Classe S, e uma mala cuja capacidade varia entre 610-1770 litros, não obstante ser ligeiramente mais compacto: 5126 mm de comprimento, 1926 mm de largura e 1512 mm de altura.


Também inegável é que o EQS é um concentrado de tecnologia nos mais variados domínios, não faltando exemplos disso mesmo. Caso das ópticas dianteiras com tecnologia Digital Light, capazes de projectarem marcas rodoviárias ou símbolos de aviso na estrada. Ou das duas novas funções de assistência à condução, que indicam o início da mudança de faixa de rodagem cooperativa e emitem um aviso/instrução de direcção caso o assistente à manutenção na faixa de rodagem ou a monotorização do ângulo morto detectem um perigo.


A propósito, é de referir que o EQS integra até 350 sensores na sua especificação de topo, que registam as distâncias, as velocidades e acelerações, as condições de iluminação, a precipitação e as temperaturas, a ocupação dos bancos e, até, os movimentos das pálpebras do condutor ou a linguagem dos passageiros – além de poder ampliar as suas capacidades com base em novas experiências, graças à sua elevada capacidade de aprendizagem, assegurada pela inteligência artificial. Algo que ajuda a explicar a disponibilização de soluções como o opcional Drive Pilot, para condução, em modo 100% autónomo, até aos 60 km/h, em engarrafamentos, ou mesmo em auto-estrada quando o trânsito está mais congestionado (inicialmente, esta última função apenas será possível de utilizar na Alemanha); ou o sistema que permite ao condutor estacionar ou remover o veículo do lugar de estacionamento através do smartphone.


Elemento incontornável do EQS é o opcional MBUX Hyperscreen, o ecrã curvilíneo de grandes dimensões, que se prolonga praticamente de um pilar ao outro, contando com nada menos do que 141 cm. É composto por três ecrãs colocados atrás de um vidro de cobertura, assim parecendo formar uma unidade única, servindo o monitor OLED de 12,3” apenas o passageiro dianteiro, pelo que, se uma câmara instalada no ecrã do condutor detectar que este está a olhar para o ecrã do passageiro da frente, a luminosidade do mesmo é automaticamente reduzida. De igual modo, o sistema Attention Assist analisa, através da mesma câmara, o movimento das pálpebras do condutor, emitindo um aviso caso conclua que este está a ceder ao sono.


Também uma opção, as portas dianteiras e traseiras automáticas: quando o condutor se aproxima do veículo, os manípulos das portas embutidos são libertados e, à medida que este se aproxima ainda mais, a porta do condutor abre automaticamente. Através do sistema de infoentretenimento MBUX, o utilizador também poderá abrir desta forma as portas traseiras, por exemplo, para permitir a entrada de crianças em frente de uma escola.


Não menos relevante, o facto de a tecnologia a bordo são ser um “envelope fechado”. Isto porque o EQA é o primeiro membro da família EQ a permitir a activação de novas funcionalidades, ou de funcionalidades não eleitas inicialmente, através de atualizações remotas. Ou seja, após a compra, e a configuração inicial do modelo em novo, algumas funções podem ser adaptadas de acordo com as preferências de cada qual, aqui se incluindo tanto a clássica compra individual de funções, como subscrições, activações temporárias e fases de testes gratuitas.


Perante tanta tecnologia, poder-se-ia crer que a mecânica seria de somenos no novo EQS, mas tal está (muito) longe de corresponder à realidade. Todas as versões montam um motor eléctrico traseiro, recorrendo as variantes de tracçao integral 4Matic a um motor eléctrico adicional instalado no eixo dianteiro. Na fase de lançamento existirão duas opções de escolha: EQS 450+ (333 cv e 568 Nm, 6,2 segundos nos 0-100 km/h, 210 km de velocidade máxima e 2480 kg de peso); e EQS 580 4Matic (523 cv e 855 Nm, tracção total, 4,3 segundos nos 0-100 km/h, e 2585 kg). Estando, igualmente, prevista uma versão dependor mais desportivo, com nada menos do que 761 cv.


Ao EQS cabe, igualmente, estrear as baterias de nova geração, com uma densidade energética significativamente superior, e um software de gestão desenvolvido internamente pela Mercedes, apto a receber actualizações remotas. A mais dotada oferece uma capacidade útil de 107,8 kWh (cerca de 26% mais do que o EQC), o que se traduz uma autonomia de até 770 quilómetros segundo a norma WLTP.


O carregamento pode ser efectuado em postos de carga rápida até 200 kW, o que sinifica recuperar 300 km de autonomia em meros 15 minutos, ou aguardar 31 minutos por uma carga total. Em Wallbox ou postos de carregamento públicos, com o carregador de bordo de 11 kW oferecido de série, são necessárias dez horas para completar uma carga, o dobro do tempo necessário caso esteja instalado o opcional carregador de bordo de 22 kW.


Para gerir da melhor forma a autonomia, o EQS conta com um sistema de recuperação de energia que garante uma desaceleração máxima de 5 m/s² (3 m/s² dos quais obtidos através da recuperação de energia, e os outros 2 m/s² por ação dos travões), praticamente permitindo dispensar o pedal do travão em boa parte das condições de condução em cidade. Pelo seu lado, o sistema de navegação com “inteligência Eléctrica” planeia o percurso mais rápido e confortável, incluindo paragens para carregamento, consegue reagir aos congestionamentos de trânsito ou a uma mudança no estilo de condução, e até inclui uma nova funcionalidade, que consiste numa indicação, apresentada pelo sistema MBUX, que mostra se a energia armazenada na bateria é suficiente para regressar ao ponto de partida sem ser necessário carregá-la.


Quanto ao châssis, recorre a uma suspensão dianteira de quatro braços, e a um esquema de cinco braços no eixo traseiro, sendo de série o amortecimento pneumático Airmatic activo (reduz a altura ao solo em 10 mm a partir dos 120 km/h, e em mais 10 mm a partir 160 km/h; podendo, abaixo dos 40 km/h, ser elevada 25 mm mediante toque num botão, e regressando à posição normal atingidos 50 km/h). Também de série é o eixo traseiro direccional, com um ângulo da direcção de até 4,5° e um diâmetro de viragem de 11,9 m, sendo o ângulo de direcção de até 10°, a permitir um diâmetro de viragem de 10,9, uma daquelas opções possíveis de desbloquear a pedido e de forma remota.


No que diz respeito a preços e data de chegada ao mercado, a Mercedes ainda nada adiantado. Sabe-se apenas que, como já vai sendo da tradição, existirá uma série especial de lançamento limitada, denominada  EQS Edition One.



Autor: António de Sousa Pereira, Absolute Motors.

Novidades

Ver Todas