Galp

Novo Mercedes Classe S chega em Dezembro

Publicado por Standocasião há 3 meses

Crónico pretendente ao “trono” de melhor automóvel do mundo, o Classe S nasceu em 1951 (embora tal designação só tenha sido oficialmente introduzida com a série 116, em 1972) e, desde então, já vendeu mais de quatro milhões de exemplares em todo o globo – sendo, ainda, um dos modelos com maior taxa de fidelização do mercado. A sua mais recente geração acaba de ser apresentada e poderá ser encomendada a partir de meados do presente mês de Setembro, estando as primeiras entregas a clientes agendadas para Dezembro próximo.


Visualmente, o novo Classe S respeita a configuração e as proporções clássicas das berlinas de luxo, contando com uma curta projecção dianteira e uma longa distância entre eixos. As linhas elegantes e distintas, mas dinâmicas e aerodinamicamente eficientes (Cx 0,22), respeitam a nova linguagem estilística introduzida pelo Classe A da nova geração, e seus derivados, merecendo aqui destaque os opcionais puxadores das portas retrácteis, e a frente dominada pela grelha de generosas dimensões e pelos esguios grupos ópticos com assinatura luminosa assegurada pelas luzes diurnas de três pontos, agora mais planas e ligeiramente mais pequenas.


No que à iluminação exterior diz respeito, menção obrigatória para o novo e opcional sistema Digital Light opção, com funções de assistência inéditas: alerta para obras na estrada através da projecção de um símbolo de uma escavadora na superfície da estrada; aviso de peões detectados na berma da estrada através da orientação de um projector de luz na direção dos memos; semáforos, sinais de stop ou sinais de proibição destacados através da projecção de um símbolo de aviso na superfície da estrada; assistência em faixas de rodagem estreitas (devido, por exemplo, a obras na via) através da projecção de linhas de orientação na superfície da estrada. Tudo isto é possível graças a uma tecnologia que integra, em cada farol, um módulo de iluminação com três LED de elevada potência, cuja luz é refractada e direccionada por 1,3 milhões de micro espelhos, para uma resolução total superior a 2,6 milhões de pixéis.


Quanto ao interior, a Mercedes afirma que o mesmo evoluiu para o conceito de “terceira casa”, pretendendo constituir um refúgio entre entre o lar e o local de trabalho. A habitabilidade é ainda mais generosa, nomeadamente por por via do aumento das dimensões exteriores: face ao seu antecessor o Classe S cresceu 54 mm em comprimento (5179mm), 22 mm em largura (1921 mm), 10 mm em altura (1503) e 71 mm entre eixos (3106 mm), sendo as vias mais largas 36 mm na frente (1660 mm) e 51 mm atrás (1668 mm) – no caso da versão longa, o comprimento cresceu 34 mm (5289 mm) e a distância entre eixos 51 mm (3206 mm), mantendo-se inalteradas as restantes medidas exteriores relativamente à versão “normal”.


Anunciado como vanguardista, o design interior, de cariz minimalista, resulta da combinação entre elementos digitais e analógicos. Sendo disso prova o tablier esculpido; a consola central e o apoio de braços “flutuantes”; a redução drástica do número de botões de comando físicos; as quatro saídas de ventilação centrais, planas e quadrangulares, com lamelas horizontais; e as duas saídas de ventilação centrais laterais verticais e compactas.


Na sua especificação mais evoluída, do tipo multicontorno activos, os bancos dianteiros contam com nada menos do que dezanove motores e dez programas de massagem, inclusive com tratamento de calor – quando o sistema de aquecimento do banco se combina com as câmaras de ar. Já o banco traseiro pode oferecer cinco diferentes configurações, dispondo agora de uma almofada adicional aquecida no apoio de cabeça dos lugares laterais, dotados de regulação elétrica.


A estreia da segunda geração do sistema de infoentretenimento MBUX (Mercedes-Benz User Experience) é outro dos grandes predicados do novo Classe S. Com até cinco ecrãs de grandes dimensões (alguns do tipo OLED, podendo o condutor usufruir de um monitor 3D que dispensa o recurso a óculos especiais), permite controlar ainda mais facilmente o veículo e as funções de conforto, e oferece maiores possibilidades de personalização – estando disponíveis quatro estilos de indicação (Discreet, Sporty, Exclusive e Classic) e três modos de funcionamento (Navigation, Assistance e Service). Ao mesmo tempo, o assistente pessoal “Olá, Mercedes” passa a poder ser controlado também a partir dos lugares traseiro e oferece capacidades de aprendizagem e de diálogo ainda mais elevadas, através da ativação dos serviços online na App Mercedes me, estando, até, apto a explicar as funções do veículo e a responder a questões de conhecimento geral.


Mas há mais. Graças às várias câmaras e a novos algoritmos, a funcionalidade MBUX Interior Assist consegue reconhecer e antecipar algumas das pretensões e intenções dos ocupantes, através da interpretação da direção da cabeça, dos movimentos das mãos e da linguagem corporal – por exemplo, antes do início de uma viagem, o sistema notifica o condutor caso a câmara tenha detectado uma cadeirinha de criança no banco do passageiro dianteiro sem que o cinto de segurança esteja colocado. Por outro lado, a função MBUX Smart Home é como que um centro de controlo à distância da residência: a rede WLAN e diversos sensores permitem monitorizar e controlar remotamente a temperatura, a iluminação, as cortinas e os aparelhos eléctricos da residência, ao passo que sensores de movimento e interruptores nas janelas informam o utilizador sobre possíveis intrusos ou quaisquer movimentações de pessoas na sua casa.


Entre os muitos opcionais disponíveis, menção para os dois head-up display, um de maiores dimensões e com realidade aumentada; e para a nova iluminação ambiente por LED interactiva, integrada nos sistemas de assistência à condução, e apta a reforçar visualmente os alertas por estes emanados. Ainda no capítulo da segurança, a par da carroçaria híbrida, composta em mais de 50% por alumínio, é digno de nota o novo airbag frontal do banco traseiro, accionado tanto numa colisão frontal como lateral, já que, ao estar posicionado entre os bancos do condutor e do passageiro dianteiro (está integrado no encosto do banco do condutor no lado central do veículo), também reduz o risco de contacto entre as respectivas cabeças.


A partir segundo semestre 2021, está previsto que o novo Classe S possa ser conduzido em modo autónomo de Nível 3, pelo menos nas latitudes em que a legislação o permita, graças ao novo sistema Drive Pilot. Além do mais, o condutor é, agora, auxiliado por novos e mais abrangentes sistemas de assistência, ao mesmo tempo que a melhoria dos sensores que monitorizam a área circundante do veículo permitiram adoptar sistemas de auxílio ao estacionamento mais efectivos e eficazes – ou seja, o condutor pode não só dar instruções par ao veículo entrar e sair do lugar de estacionamento através do smartphone, como, quando e onde possível, o Classe S até conseguirá entrar e sair de parques de estacionamento com vários pisos sem qualquer intervenção humana.


Dinamicamente, o novo Classe S recorre a uma evoluída suspensão com amortecimento pneumático Airmatic de série, que, opcionalmente, pode ser complementada quer com o eixo traseiro direcional com um elevado ângulo de viragem (até 10°), quer com o sistema E-Active Body Control de barras estabilizadoras activas, actuadas por um sistema eléctrico de 48 V – aqi se incluindo a nova função de segurança Impulse Side sistema Pre-Safe, que em décimos de segundo, eleva até 80 mm ambos os lados da carroçaria imediatamente antes de uma iminente colisão lateral, assim reduzindo a carga aplicada à estrutura da porta, passando esta a incidir sobre a embaladeira, senhora de uma maior capacidade de absorção da energia.


Na fase de lançamento, o novo Classe S contará com os serviços de motores a gasolina e Diesel de seis cilindros em linha, todos combinados com a caixa automática 9G-Tronic de nove velocidades, e estando sempre a velocidade máxima limitada a 250 km/h – sendo que as unidades a gasolina se conjugam com o alternador/motor de arranque integrados ISG, capaz de fornece uma potência e binário extra em determinadas condições de utilização. Na base da gama estará o S 450 4Matic, com motor 3.0 a gasolina de 267 e 500 Nm, e sistema EQ com 22 cv e 250 Nm, capaz de cumprir os 0-100 km/h em 5,1 segundos. Também a gasolina, o S 500 4Matic recorre à derivação de 450 cv e 520 Nm do mesmo motor, a que se junta o sistema EQ com 22 cv e 250 Nm, cumprindo os 0-100 km/h em 4,9 segundos.


A versão a gasóleo de acesso é a única com tracção apenas traseira, tomando forma no S 350 d, com motor turbodiesel de 2,9 litros, 286 cv e 600 Nm, apta a cumprir os 0-100 km/h em 6,4 segundos – mas também é disponibilizada com transmissão integral no S 350 d 4Matic, em que os 0-100 km/h se cumprem em 6,2 segundos. O mais dotado dos Diesel é o S 400 d 4Matic, com motor 2,9 de 330 cv e 700 Nm, capaz de cumprir os 0-100 km/h em 5,4 segundos.


Ainda este ano, o Classe S estará disponível numa versão V8 com motor de arranque/alternador integrado e sistema elétrico de bordo de 48 V. Para 2021 está marcado o lançamento de uma versão híbrida plug-in com uma autonomia de cerca de 100 km em modo elétrico.



Autor: António de Sousa Pereira, Absolute Motors.

Anuncios Recentes

Ver Todos