Ducati Panigale V2 2020 – A nova Superdesportiva bicilíndrica italiana

Publicado por Standocasião há 2 semanas

A Ducati apresentou em Rimini a sua nova Superdesportiva de dois cilindros, a Ducati Panigale V2 de 2020, digna herdeira do legado histórico das motos desportivas de 2 cilindros da marca italiana.

Histórico

Apesar de não ser um modelo totalmente novo, pois deriva da anterior Ducati 959 Panigale, a nova Panigale V2 é a forma que a Ducati encontrou de manter vivo o conceito e a tradição dos motores V2, já que todas as suas Superdesportivas de topo montam agora motores de arquitectura V4.

Primeiro contacto

A Ducati Panigale V2 sofreu um processo de renovação profundo começando pela sua estética, cujas linhas colam agora às da versão de topo com motor V4.  Outro melhoramento que a versão 2020 incorpora é a montagem de um monobraço em alumínio na suspensão traseira. As suas linhas são fluidas e elegantes, envolvendo por completo o chassi monocasco em alumínio que monta um sub-quadro multi-tubular. O assento é mais confortável e a posição de condução menos agressiva.

Motor

O motor é o já conhecido Superquadro V2 em L de 955cc, que montava a Panigale 959 e antes disso a 899 , motor que vem agora de acordo com as limitações impostas pelo Euro 5. Um dos pormenores que de imediato salta à vista é a colocação do escape numa posição baixa. A potência é agora de 155 cv às 10.750 rpm, com um binário máximo de 104 Nm às 9.000 rpm, valores que resultam num incremento de 5 cv em relação ao motor anterior, devido a novos injectores e ao aumento do fluxo de ar, mas também do novo escape, que já referimos, colocado desta vez por baixo do motor. O motor V2 a 90º funciona como elemento de reforço estrutural da moto.

O motor mantém uma entrega de potência linear, mesmo suave até perto das 6.000 rpm, sobretudo no modo de motor Street onde a electrónica tem maior intervenção. Nos modos Sport e Race a resposta é mais pronta e o motor sobe de regime mais rapidamente   mantendo porém alguma suavidade e a sensação de controle absoluto, realidade que nos é transmitida pelo excelente tacto do acelerador Ride by Wire. O motor V2 continua a ser toda uma referência em termos de desempenho desportivo, embora agora mais controlável e obviamente mais dócil comparativamente à mais potente e exigente Panigale V4 com os seus 215 cv.

Ciclística, Quadro e Suspensões

O quadro Monocoque em alumínio utiliza o motor como reforço estrutural e monta monobraço traseiro com amortecedor colocado numa posição assimétrica. Na suspensão dianteira a Ducati optou por montar umas Showa BPF ( Big Piston Fork ) invertidas de 43mm. sendo que o amortecedor traseiro é um Sachs, ambos totalmente ajustáveis.  O seu comportamento está de acordo com a tipologia da moto e em linha com a qualidade a que a Ducati nos habituou nesta matéria. O seu desempenho privilegia uma utilização desportiva, ou seja, no dia a dia e em piso degradado, o “corpo é que paga”. Em circuito num qualquer Track Day, as suspensões e a firmeza do quadro justificam a sua firmeza e garantem uma enorme estabilidade em curva da Panigale V2.

Travões e Rodas

Os travões montam discos duplos na dianteira de 320mm, com pinças radiais monobloco da Brembo M4.32 com 4 pistons e disco de 245 mm na traseira com pinça de 2 pistons. Os pneus são Pirelli Diablo Rosso Corsa com as medidas 180/60-17″ atrás e um 120/70-17″ na frente, pneus aptos para rodar em circuito, a garantirem um nível de aderência adequado à condução desportiva da Panigale V2.

Electrónica e ajudas à condução

Também ao nível da electrónica houve evolução e a Panigale V2  2020 inclui o último desenvolvimento levado a cabo pela Ducati nesta matéria e incluído na versão V4, montando agora um IMU de 6 eixos. Os modos de motor incluídos são três, Street, Sport e Race e todos entregam a potência máxima de 155 cv, com mais ou menos intervenção de electrónica dependendo do modo selecionado.  O Quickshift  bi-direcional funciona na perfeição, dos melhores que temos experimentado.

A electrónica Inclui:

- ABS Cornering EVO

- Ducati Traction Control (DTC) EVO 2

- Ducati Wheelie Control (DWC) EVO

- Ducati Quick Shift up/down (DQS) EVO 2

- Engine Brake Control (EBC) EVO

Equipamento

Inclui iluminação LED, dianteira e traseira para além de sistema de iluminação diurna. A frente e a traseira da moto são deslumbrantes, com uma estética alinhada com a sua irmã maior, a Panigale V4, simplesmente bela como atestam as imagens que captámos durante o ensaio que realizámos. O assento é bastante espaçoso e mais largo e comprido que o da V4 proporcionando conforto extra e garantido que em pilotagem desportiva existe mais espaço para fazermos deslocar o peso do nosso corpo. Os avanços estão colocados numa posição baixa e aberta como é normal mas não penalizam demasiado os nossos pulsos. O conjunto do monobraço e jante traseira são um upgrade de luxo em relação à versão anterior e complementam a imagem de exclusividade tecnológica da Panigale V2.

Conclusão

A Ducati Panigale V2 mantém viva tradição das motos desportivas Ducati de 2 cilindros a 90º herdando parte do desenvolvimento realizado para a Panigale V4, sobretudo na sua estética e na sua electrónica. Relativamente à V4 parece-nos ser um compromisso mais “utilizável” por quem procura uma desportiva italiana que seja “domável”  e da qual se possa tirar maior partido do seu binómio ciclística/potência. Os seus 155cv com apenas 176 Kg de peso transformam-na numa excelente máquina de circuito, muito divertida e eficaz, fácil de pilotar ao limite e muito menos exigente do que uma Panigale V4. No seu preço é também mais acessível e no seu segmento não existem de momento muitas opções.

A Ducati Panigale talvez não seja uma moto para utilizarmos no dia a dia mas, a sua suavidade de entrega de potência, o conforto relativo tendo em conta a sua tipologia, as suas virtudes desportivas e contidas relativamente à sua irmã V4, fazem com que seja uma opção sensata para aqueles que gostam das desportivas italianas, de estética deslumbrante com um enorme potencial de proporcionar sensações únicas em pista onde poderemos desfrutar de todo o seu potencial.

Preço, cores e opções

O seu PVP em Portugal é de 17.795 + documentação e foi apresentada na cor “Rosso” estando neste momento também disponível na cor “White Rosso”.  Em termos de opcionais  a Ducati propõe, para aqueles que gostam de rodar em pista, um sistema completo de escape Akrapovic e equipamento de proteção Ducati para o piloto.

GOSTÁMOS

  • Estilo e estética
  • Suavidade na entrega de potência

-        Conforto sendo uma desportiva

A MELHORAR

  • Calor intenso do motor
  • Falta de indicador nível de combustível

Ficha Técnica

Motorização

Tipo de motor – Bicilíndrico 90º com refrigeração líquida
Cilindrada -
955 cm3
Potência -
155 cv às 10750 rpm
Binário -
104 nm às 9000 rpm
Distribuição -
Desmodrómica
Válvulas -
4 por cilindro
Alimentação -
Injecção electrónica Magneti Marelli ,

Acelerador - Full Ride by Wire
Diametro X Curso - 100 x 60.8
Taxa Compressão -
12.5:1

Transmissão

Transmissão - Corrente
Embraiagem -
Húmida, multidisco
Caixa Velocidades –
Caixa de 6 com Ducati Quick Shift (DQS) - up/down EVO 2

Quadro

Tipo de quadro - Monocoque em alumínio
Angulo coluna direcção
- 24 º

Braço Oscilante – Monobraço em alumínio c/ túnel para a corrente

Suspensões

Suspensão dianteira - Forquilha Showa Big Piston Fork de 43 mm regulável
Curso dianteiro -
120 mm
Suspensão traseira -
Amortecedor Sachs regulável
Curso traseiro -
130 mm

Travões

Travões dianteiros - Duplo disco Brembo de 320mm
Pinças dianteiras -
Brembo radial de 4 êmbolos
Travões traseiros -
Disco Brembo de 245 mm
Pinças traseiras -
Pinça fixa de 2 êmbolos

ABS - Cornering ABS EVO

Rodas/Pneus

Roda Dianteira - Em liga leve com 5 braços, 3.50'' x 17''
Medida pneu dianteiro - 120/70-ZR 17
Roda Traseira - Em liga leve com 5 braços, 5.50 x 17''
Medida pneu traseiro - 180/60 ZR17

Electrónica

Ajudas à condução - Cornering ABS EVO, DTC (Ducati Traction Control) EVO 2, Ducati Wheelie Control (DWC) EVO, Riding Modes, Power Modes, EBC (Engine Brake Control), auto-calibragem dos pneus

Equipamento

Equipamento de série - Ducati Quick Shift (DQS) up/down EVO 2, iluminação full-LED com Daytime Running Light (DRL), amortecedor de direção Sachs, piscas auto-off; pré-instalação para Ducati Data Analyser+ (DDA+) com módulo GPS, Ducati Multimedia System (DMS) e antirroubo

Dimensões

Distância entre eixos - 1436 mm
Altura do assento - 840 mm
Capacidade do deposito - 17 L
Trail - 94 mm
Peso a seco -
176 kg
Peso em marcha - 200 kg

Emissões de CO2 - 100 g/km, 2 catalizadores e 2 sondas Lambda

Preço - 17.795 eur

CONCORRÊNCIA

A Ducati Panigale V2 sendo uma desportiva de de 2 cilindros e de 155 cv não tem muitos modelos que compitam com a mesma no seu segmento. Identificámos apenas 2 modelos de marcas concorrentes, a BMW R 1250 RS, também uma bicilíndrica desportiva com motor Boxer e a MV Agusta F3 800, esta uma tricilíndrica e aquela que mais se assemelha às características da Panigale V2, isto enquanto aguardamos o lançamento da nova Daytona 765 da Triumph.

BMW R 1250 RS   1.254 cc /134 cv / 243 Kg / 15.749 eur
MV Agusta F3 800  798 cc / 148 cv / 173 Kg / 17.850 eur

Galeria de Imagens Ducati Panigale V2

Anuncios Recentes

Ver Todos